Dermoabrasão
6 de setembro de 2017
Preenchimento Facial (MD Codes)
11 de setembro de 2017

Pode estender-se lateralmente (flancoplastia) e anteriormente (abdominoplastia).

A cirurgia plástica de Torsoplastia pode ser considerada uma boa alternativa no tratamento de ex-obesos, em que a grande perda ponderal permitiu uma queda de toda região externa de coxas (culotes), nádegas e região abdominal lateral. Já pessoas demasiadamente obesas obtêm resultado estético pouco satisfatório com esta cirurgia, mas conseguem recuperar parte da capacidade funcional com melhora na locomoção.

Eventualmente pode ocorrer a associação com a lipoaspiração de coxas, culotes e dorso superior (acima da cicatriz superior). Este procedimento facilita a “subida” dos tecidos (pele e gordura superficial), que são suturados no plano profundo muscular. Cada caso deve ser ponderado de acordo com a necessidade individual, baseado no grau de queda da pele na região lateral na cintura, culotes e em nádegas.

A Torsoplastia, quando associada ao Lifting Glúteo, pode incorporar um retalho de gordura e derme (chamado retalho dermogorduroso), ao qual possibilita o aumento de volume na região glútea.

Qual a indicação para realização da Torsoplastia?

Pacientes com grandes emagrecimentos e com grande quantidade de dobras circunferenciais (anterior, posterior e laterais).

Tipo de Anestesia

Anestesia Peridural com sedação ou anestesia geral.

Duração do procedimento

A Torsoplastia tem duração de cerca de 3 a 6 horas.

Local da cicatriz

Na maioria das vezes, a cicatriz fica escondida nas vestes íntimas da paciente.

Possíveis complicações

Deiscência da sutura (abertura dos pontos), queda dos tecidos, edema (inchaço), hematomas, equimoses (manchas roxas), sangramento discreto pelas cicatrizes, seroma (drenagem de secreção amarela clara pela cicatriz), cicatrizes alargadas, hipertrofiadas, hiper ou hipocrômicas, necrose dos tecidos, trombose venosa profunda dos membros inferiores,  embolia pulmonar e infecção.

 Pós-operatório:

Não costuma ser  uma cirurgia muito dolorosa, sendo a dor controlada com analgésicos comuns.  O paciente deverá usar meia anti-trombótica durante 30 dias, malha abdominal durante 03 meses e anti-coagulante injetável por uma semana no pós-operatório.

Deverá estar sempre acompanhado por um cuidador, principalmente, nas duas primeiras semanas do pós-operatório, quando irá apresentar maior dificuldade de locomoção. Poderá voltar a realizar caminhadas e  corridas leves, bem como dirigir, após um mês de cirurgia. Atividades físicas sem restrições estarão liberadas após 3 meses da cirurgia.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *